Rotina

Acordou num sobressalto. Achando-se atrasado, desvencilhou-se rapidamente do lençol, tateou o escravo mudo em busca de seus óculos, ajeitou-os de qualquer maneira por cima do nariz e conferiu o despertador. Alívio. Acordou até mesmo antes dele tocar. Uns 15 minutos para fazer as coisas com mais calma.

Olhou para o lado e observou por alguns instantes sua esposa num sono profundo. Com um olhar terno, assistiu sua lenta e serena respiração, enquanto acariciava seus cabelos encaracolados. Longos fios vermelhos, embora a raiz já denunciasse de certa forma a sua idade. A camisola de seda azul não encobria suas formas. Continuava bela apesar de tudo. Apesar do tempo e dos filhos. Filhos! Melhor dar uma olhada neles, pensou, mesmo sabendo que estava tudo bem. Como sempre.

Levantou-se cuidadosamente para não acordar a mulher e, na ponta do pé, caminhou até a porta. Abriu e fechou a maçaneta com uma delicadeza que contrastava com seu jeito corpulento. Foi até o quarto dos pequenos, seguindo uma rotina que mais parecia um minucioso ritual diário. Com igual parcimônia, abriu o quarto das crianças para poder enfiar a cabeça.

Na verdade, já não eram crianças, mas já alcançavam a pré-adolescência. Pôde observar os dois filhos lado a lado em cada uma das camas. As primeiras espinhas vermelhas irrompendo como um vulcão em atividade naqueles rostos corados. Tinham os olhos da mãe, pensou, embora o nariz fosse o seu, indiscutivelmente. Eis uma herança que ninguém haveria de merecer: um nariz grande e batatudo! Riu com um canto de boca enquanto se despedia com um olhar paternal das crianças.

Voltou até o quarto, abriu vagarosamente o guarda-roupa e pegou as roupas já preparadas no cabide. Caminhou até o banheiro para se trocar. Despiu-se do pijama e o jogou no cesto de roupas sujas, posicionado habitualmente no canto esquerdo. Vestiu a camisa. Abotoou-a. Pôs a calça social, as meias pretas de seda. Em frente ao espelho, colocou a gravata ao redor do pescoço e, com agilidade ímpar, atou um nó windsor, combinando com o colarinho italiano. Calçou os sapatos, também italianos, fazendo mexer os dedos dos pés para melhor acomodá-los.

Resignado, escovou os dentes apressadamente, já que aquilo o entediava sobremaneira. Com o pente, alisou alguns fios rebeldes que, resistentes, insistiam em povoar a sua calva. Fez a barba com igual impaciência, mas sua prática o impediu que se cortasse.

Bocejando, seguiu até a cozinha. Deixou a cafeteira preparada enquanto procurava as torradas no armário. Café pronto, sacou a geleia de morango da geladeira. Já sentado, desfrutou daquele momento pela milionésima vez, como uma espécie de banquete frugal. Abanou alguns farelos da camisa enquanto tomava aquele último gole de café. Só então notou o pequeno gato roçando a sua perna maliciosamente. Solidário, deixou o felino lamber um pouco de geléia que sujava seus dedos.

Já plenamente acordado e com passos mais decididos, seguiu pela sala e foi para a garagem. Olhou em volta daquele espaço, viu o carro que despertava a inveja dos vizinhos estacionado. Continuava observando, ajeitando os óculos por sobre o nariz. Não que estivesse caindo, mas já era um tique nervoso. Ah, ali, encontrou.

Tirou a corda da estante de ferramentas e a desenrolou. Uma corda fibrosa e resistente, quase tão grossa quanto seu punho. Com movimentos rápidos, fez um nó. Pensou em como ele era bom naquilo, talvez pelos anos a fio atando nós em gravatas.

Jogou a corda por sobre um gancho de metal enferrujado próximo ao teto e subiu na pequena banqueta de madeira. De uma altura um pouco mais elevada, observou novamente a garagem e pensou em como aquilo ainda precisava de uma boa arrumação.

Ajeitou novamente os óculos por sobre o nariz, colocou a corda em volta do pescoço e pulou.

Anúncios

2 comentários em “Rotina

  1. Muito bom, Diego. Não conhecia esse lado contista
    Parabéns!

  2. raíza disse:

    é sempre bom matar a rotina.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s